Orientação Vocacional

O aconselhamento vocacional é um meio de ajudar os jovens a definirem um projeto de vida e a tomarem as decisões de carreira adequadas com vista ao autodesenvolvimento e autorrealização na sociedade.
A orientação vocacional, numa perspetiva desenvolvimentista, entende o indivíduo em permanente evolução e desenvolvimento, incluindo o desenvolvimento vocacional numa constante interação com o meio. Nesta ótica, a orientação vocacional é sinónimo de desenvolvimento psicológico e social do indivíduo, sendo o principal papel do conselheiro de orientação prestar ajuda no sentido de promover a mudança de atitudes dos jovens, a exploração de si e do meio e as estratégias mais adequadas de tomada de decisão na carreira.
O autor Donald Super define orientação como o processo de ajudar uma pessoa a desenvolver e a aceitar uma descrição integrada e adequada de si própria e do seu papel no mundo do trabalho.
Entende-se por conhecimento de si a ajuda que é dada para facilitar o desenvolvimento dos autoconceitos de cada indivíduo. Por um lado envolve uma exploração das estratégias pessoais, qualificações, capacidades, aptidões e qualidades pessoais. Por outro lado envolve uma exploração das limitações destes mesmos aspetos. Também é uma exploração das necessidades pessoais, envolvendo questões acerca de que espécie de satisfações se procura, que tipo de interesses se está a desenvolver, que aspirações pessoais são formuladas, que valores no trabalho estão mais salientes. Algumas das necessidades expressas serão profundamente internalizadas e permanentes, outras serão transitórias e situacionais. A dimensão autoconhecimento é fundamental enquanto facilitadora do desenvolvimento de maturidade vocacional e da adaptabilidade à carreira.
Sabemos atualmente que um dos determinantes mais importantes no processo de desenvolvimento vocacional, segundo os estudos de Donald Super, é o desenvolvimento da maturidade vocacional que é composta por quatro dimensões: a atitude de planeamento da carreira; a atitude de exploração da carreira; a capacidade de tomada de decisão; o conhecimento das profissões, do mundo do trabalho e do sistema de formação.
Através de diversas estratégias de intervenção o papel do psicólogo e conselheiro de orientação da Estímulopraxis é o de motivar o jovem a desenvolver experiências planeadas que permitam facilitar a aquisição do conhecimento das oportunidades, do conhecimento de si próprio e da aprendizagem da tomada de decisão e da transição. Na Estímulopraxis realiza-se uma avaliação rigorosa e cuidadosa dos vários elementos intervenientes nesta tarefa que é a escolha de uma carreira profissional.
Dr.ª Filipa Lourenço – Psicóloga Clínica

Programa Estruturado Para as Perturbações da Relação e da Comunicação “Crescer Passo a Passo”

A Perturbação da Relação e da Comunicação manifesta-se durante a primeira infância e o diagnóstico surge, normalmente, a partir dos 2 anos de idade.
As crianças com Perturbação da Relação e da Comunicação apresentam, normalmente, dificuldades no relacionamento e comunicação, combinadas com dificuldades na regulação dos processos fisiológicos, sensoriais, atencionais, motores, cognitivos e afectivos, sendo uma perturbação que atinge a maioria das áreas do desenvolvimento normal da criança.
Trata-se de uma perturbação na capacidade de comunicar e de se relacionar com os outros, que pode ser mais ou menos grave, estando-se na presença de um desenvolvimento acentuadamente anormal ou deficitário nas áreas já mencionadas, apresentando-se também um reportório acentuadamente restrito de actividades e interesses.
Embora duas crianças possam partilhar um diagnóstico comum, cada uma tem um padrão próprio de desenvolvimento e funcionamento.
A detecção precoce de “sinais de alerta” permitirá uma intervenção mais atempada e mais eficaz, potenciando favoravelmente o desenvolvimento da criança.
São normalmente os pais a observarem as primeiras alterações no seu filho. Para além das queixas mais comuns que remetem para o atraso na linguagem ou para a falta de respostas sociais, a maioria tem a percepção de que “algo” mais não está bem: “ele não olha para mim”, “ele não responde quando o chamamos”, “parece que não ouve”, “não estende os braços para ser pegado ao colo”, entre outros.
Independentemente da causa, o desenvolvimento destas crianças encontra-se alterado e necessita de uma intervenção atempada que dê resposta a todas as áreas onde se encontrem dificuldades.
Ao longo do tempo têm surgido novas metodologias de intervenção ao nível das Perturbações do Desenvolvimento, fruto da necessidade crescente de se desenvolverem respostas adaptadas às necessidades específicas de cada criança, indo de encontro à necessidade dos pais em ter respostas integradas e individualizadas para os seus filhos.
É neste contexto que surge o Programa “Crescer Passo a Passo”, elaborado por uma equipa multidisciplinar do Centro de Desenvolvimento Infantil – Estimulopraxis, que procura salientar a importância de um diagnóstico e de uma intervenção o mais precoce possível, de forma a responder às necessidades específicas da criança, da sua família e escola, minimizando os défices existentes, maximizando as competências fortes das crianças, promovendo a sua autonomia e qualidade de vida, aliviando o stress familiar.
O Programa “Crescer Passo a Passo” destina-se a crianças dos 0 aos 14 anos com Perturbação da Relação e da Comunicação, nomeadamente Perturbação Autística, Síndrome de Asperger ou Perturbação Global de Desenvolvimento Sem Outra Especificação.
Assim, reunimos a experiência da nossa equipa de desenvolvimento infantil, e criámos um Programa de Intervenção que reúne os contributos de várias metodologias (D.I.R./Floortime, TEACCH, Histórias Sociais), com base numa equipa multidisciplinar que conta com a colaboração de Pediatra do Desenvolvimento, Educação Especial e Reabilitação/Psicomotricidade, Terapia da Fala, Psicologia e Neuropsicologia.
Com base nas metodologias utilizadas, bem como na mais-valia de contarmos com uma equipa multidisciplinar será possível intervir em várias áreas do desenvolvimento infantil, realizando uma intervenção global, nomeadamente ao nível do Desenvolvimento Psicomotor, Comunicação e Linguagem, Competências Pessoais e Sociais, Aprendizagem Escola (Competências Pré-Escolares e Competências Escolares) e Apoio à Família.
Será então possível apresentar, de forma mais específica, os objectivos deste nosso programa:
Para as Crianças:
• Promover o seu desenvolvimento global e de competências específicas;
• Prevenir o aparecimento de futuros problemas ou dificuldades;
• Fornecer a oportunidade para experiências de vida normalizantes.
Para a Família:
• Melhorar o seu nível de adaptação face à situação de existência de uma criança com Perturbação da Relação e da Comunicação;
• Promover o seu envolvimento activo no processo pedagógico-terapêutico da criança;
• Apoiá-las na implementação de estratégias para melhor lidarem com a criança.
• Inclusão dos membros da família através de treino parental.
No Programa “Crescer Passo a Passo” a avaliação da criança é realizada segundo três fases: avaliação informal, avaliação formal e diagnóstico. É muito importante fazer uma avaliação das competências da criança para que se possa determinar o seu nível de funcionalidade.
Após a fase de avaliação, para cada criança é elaborado um programa de intervenção com objectivos definidos especificamente em função das suas necessidades com vista à promoção das suas potencialidades.
Este programa contempla, ainda, reavaliações de 6 em 6 meses, que têm como objectivo avaliar o programa de intervenção que está a ser aplicado, verificando o sucesso da sua implementação, permitindo a reformulação de objectivos para a fase de intervenção seguinte, procedendo-se aos reajustes necessários em relação aos objectivos estabelecidos.
Dra. Rita Silva
Técnica Superior de Reabilitação Psicomotora/Psicomotricista
Dra. Carla Pereira
Técnica Superior de Educação Especial e Reabilitação/Psicomotricista